Domingo, 19 de Novembro de 2017
1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 Rating 4.00 (6 Votes)

VALDECANS-BELÉM 19:15h - O Ten. AURÉLIO, reuniu a turma e avisou que o embarque seria no dia seguinte, 10 de março, às 05:00h e que não seria permitida nenhuma saída da base. Após uma reunião no alojamento, o Micheloni convocou a garotada para um pequeno passeio na cidade de BELÉM e o primeiro problema era driblar o Ten. AURÉLIO. O segundo era arranjar uma condução, uma vez que a Base ficava distante da cidade.

Reunido o grupo, caminhamos ate o portão da guarda, onde o sentinela americano foi logo pedindo os passes, em um inglês com sotaque do Texas. A uma voz de comando do Micheloni, começamos todos a falar rapidamente em português e gesticulando mais que italiano. O gringo ficou doidão e não entendeu nada. Depois de soltar vários palavrões abriu a cancela e mandou todos nós para o inferno.

Aguardamos fora do portão algum tempo até que surgiu um caminhão basculante, que nos levou até o centro de Belém. Resolvemos visitar o Canal Zone, onde percorremos algumas pensões e boates e apesar da hora, 20:30h, o movimento era intenso.

Entramos na Pensão da ZEZÉ, onde havia uma mistura de marinheiros, fuzileiros e soldados, brasileiros e norte-americanos, bem como muitos civis, todos na maior zorra. Junto com o Teixeira, Cardoso e Borges, conseguimos uma mesa junto à pista, enquanto o Micheloni ensaiava dançar um tango com uma mulata vestida de vermelho.

Nesta altura dos acontecimentos, o Ten. AURÉLIO, acompanhado de um capitão americano entrou na Pensão, à nossa procura. A um aviso de debandar, saímos pela porta dos fundos e fomos direto para a Praça da República onde pegamos um táxi, retornando à base, esperando a bronca que iria vir.