Quinta, 23 de Novembro de 2017
1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 Rating 4.50 (1 Vote)

Em 12 de setembro de 1942, às 22:07h, o U-156 comandado pelo Kptlt. Werner Hartenstein torpedeou uma grande embarcação no Atlântico Sul - posição 05º05'S, 11º38'W. Tratava-se do navio de passageiros Laconia, de 19.695t, o qual afundou às 23:23h. O navio carregava 136 tripulantes, 80 civis, material militar, 268 soldados e cerca de 1.800 prisioneiros de guerra italianos vigiados por 160 soldados poloneses.

Logo após o afundamento, a tripulação do U-156 ficou impressionada ao ouvir vozes falando em italiano entre os sobreviventes tanto nos botes salva-vidas quanto dentro d'água. Hartenstein começou imediatamente uma operação de resgate e pediu ajuda por rádio, tanto para outros U-boats próximos quanto para qualquer embarcação, sob a promessa de cessar-fogo.

Nos dias subsequentes ao afundamento, o U-156 salvou cerca de 400 pessoas, mantendo duzentas a bordo e outras duzentas em botes salva- vidas. Em 15 de setembro, às 11:30h, o U-506, comandado pelo Kptlt Erich Würdemann chegou à cena do afundamento e prosseguiu com o resgate. Poucas horas depois foi a vez do U-507 com o Korvkpt. Harro Schacht e por último o submarino italiano Cappelini. Os submarinos rumaram para a costa, rebocando os botes salva-vidas e centenas de sobreviventes, tanto nos botes quanto dentro dos submarinos.

Em 16 de setembro, às 11:25h, um bombardeiro B-24 do USAAC (Força Aérea do Exército dos EUA) operando da ilha de Ascenção, avistou os submarinos, que, naquele momento, exibiam bandeiras brancas com um cruz vermelha. O piloto pediu instruções a base de como proceder e foi informado para atacar, o que foi feito às 12:32h, forçando os submarinos à cortar os cabos usados para rebocar os botes salva-vidas e submergir imediatamente.

Poucas vidas se perderam no ataque do B-24 e, logo após, navios de guerra franceses (do Governo Vichy, alinhado com os alemães) vindos de Dacar, Marrocos, chegaram ao local reiniciando a operação de resgate. Ao final, cerca de 1.500 pessoas sobreviveram ao afundamento.

Depois do ocorrido, que viria a ser conhecido como Incidente Laconia, o Comandante-em-chefe da Kriegsmarine (Marinha de Guerra Alemã), Almirante Kurt Dönitz, ordenou que nenhum U-boat participaria de outra operação de resgate.


» história do Kptlt. Werner Hartenstein

» história do U-156

fonte: uboat.net